COMISSÃO DE ACOLHIMENTO SOBRE ASSÉDIO




A Comissão de Acolhimento para assuntos relacionados à Assédio foi criada pelo Colegiado do PPGCEE em junho de 2023 com o objetivo de prestar acolhimento às vítimas de assédio sexual e moral, sejam servidores ou discentes que fazem parte do PPGCEE e orientar quanto aos caminhos possíveis para denúncia dos casos.

 

Quem faz parte da Comissão?

Prof.ª Dr.ª Flávia Porto Melo Ferreira – Docente Permanente e Coordenadora Adjunta do PPGCEE/IEFD

Prof.ª Dr.ª Nádia Souza Lima da Silva – Docente Permanente do PPGCEE/IEFD

Luciana Rodrigues de Oliveira Durante – Chefe de Secretaria do PPGCEE/IEFD

Cíntia da Penha Santos – Doutoranda do PPGCEE/IEFD

Heloisa Suzano de Almeida – Doutoranda do PPGCEE/IEFD

 

Como eu entro em contato com a Comissão?

Através do e-mail acolhimento.assedio@gmail.com ou comparecendo à Secretaria do PPGCEE (sala 9122, bloco F, 9º andar, IEFD – Telefone: 2334-0448) e solicitando reunião com a Comissão.

Eu só posso realizar uma denúncia através da Comissão?

Qualquer denúncia de assédio pode ser realizada através da Plataforma Fala.BR.

O Fala.BR é a Plataforma Integrada de Ouvidoria e Acesso à Informação do Poder Executivo Federal. Por meio dela você pode enviar pedidos de acesso à informação e manifestações de Ouvidoria (denúncias, elogios, reclamações, sugestões e solicitações) aos órgãos e entidades. As denúncias poderão ser anônimas, porém, “as manifestações registradas de maneira anônima não possibilitam acompanhamento posterior.

Outra opção, é entrar em contato com a Ouvidoria da UERJ.

A UERJ possui alguma ação ou projeto de acolhimento e promoção da saúde mental aos estudantes?

Sim. A PR4 – Pró-reitoria de Políticas e Assistência Estudantis da Uerj possui um departamento específico voltado para atividades de promoção de saúde mental, inclusão e acessibilidade, o DASPB (Departamento de Acolhida, Saúde Psicossocial e Bem-estar). 

Como é feito o acolhimento na universidade no caso dos servidores?

O servidor que esteja passando por alguma situação que envolva conflitos nas relações de trabalho, dificuldades de relacionamento interpessoal, fragilidade na comunicação entre equipe/gestão ou percepção de assédio moral pode procurar pelo atendimento especializado disponível na SGP. A chefia ou Direção de componente organizacional que também se perceba nas situações acima mencionadas também podem procurar o apoio do SAAQ. Saiba como.

A SGP disponibilizou uma cartilha para melhor orientar os servidores sobre assédio no trabalho.